Lei de Acesso à Informação
Busca
Faculdade de Educação
Educação Formal e Práticas Pedagógicas Informais

STÉPHANIE GARCIA PIRES - AGÊNCIA UFRJ DE NOTÍCIAS - PRAIA VERMELHA
agn2pv@reitoria.ufrj.br

O curso de extensão Educação e a Sociedade Brasileira Contemporânea, organizado pela Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FE/UFRJ), com apoio do Fórum de Ciência e Cultura (FCC/UFRJ), discutiu dia 2 de outubro, o tema “Educação Formal e Práticas Pedagógicas Informais”. Para compor a mesa, foram convidadas Fernanda Delvalhas Piccolo, professora da FE/UFRJ e organizadora do evento, e Luciane Soares, doutoranda em Sociologia pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS/UFRJ).

 Fotos: Fábio Portugal
  

Fernanda Delvalhas Piccolo, professora da Faculdade
de Educação da UFRJ, conta da experiência no Morro
dos Macacos de um Centro Comunitário para educar
jovens entre 14 e 20 anos

Fernanda relatou sua experiência com um centro comunitário no Morro dos Macacos, localizada no bairro de Vila Isabel, no Rio de Janeiro, em que analisou as redes de relações sociais que ali estavam estabelecidas. O centro, por definição, dedicava-se a educar e promover atividades diversas com jovens de 14 a 20 anos que estivessem na chamada “situação de risco social”, por exemplo, moradores de áreas pobres da cidade, que consumissem ou traficassem drogas, bem como os que tivessem uma escolaridade baixa ou uma estrutura familiar rompida.

A diretora do centro na época, segundo Fernanda, descrevia como objetivo do projeto educar esses jovens tanto formalmente, adotando didáticas típicas da escola, como “para a vida”, ensinando com foco na civilidade. A idéia era profissionalizar e encaminhá-los para o trabalho o que, na prática, esbarrou com exigência dos empregadores por um nível de escolaridade mínimo que os associados do centro, em geral, não possuíam.

O grupo comunitário utilizava, para disciplinar seus associados, técnicas de punição e recompensa em dinheiro de acordo com o nível de dedicação e colaboração com os programas criados pelos organizadores.  Porém, um problema percebido por Fernanda era que “o centro muitas vezes agia no sentido de reforçar ao invés de combater a estrutura social vigente. Passavam o recado de que a realidade era aquela e os jovens precisavam aceitar isso e se adaptarem. Ao mesmo tempo em que conferiam àqueles garotos e garotas a base para construírem um projeto de vida, os organizadores limitavam estes projetos pessoais. Os estudantes sonhavam com Medicina, Direito. O centro oferecia cursos de padeiro, manicure, entre outros, que não se encaixavam no desejo por uma profissão típica do Ensino Superior”, relata a educadora.

 

Luciane Soares, doutoranda em Sociologia pelo IFCS,
revela o uso do Rap com fins pedagógicos em escolas
da periferia do Rio de Janeiro

Luciana, por sua vez, explicou seu projeto de pesquisa em que analisa a construção cultural do Rap no Rio de Janeiro e sua forte influência na periferia da cidade. “É um ritmo de produção relativamente barata, que não exige muito equipamento e nem conhecimento musical profundo”, define. Ao contrário do Funk, o Rap não se propõe ao divertimento, produzindo discursos de reivindicação e de quebra com o contrato social, que podem até mesmo ser agressivos. A adesão ocorre porque a juventude da periferia pode “ver-se espelhada, ver sua área cantada, ver o sofrimento de seu grupo social exposto”, argumenta a pesquisadora. O problema é que o estranhamento inicial que o Rap provoca na população gera uma desconfiança e a crença de que apreciadores desta música têm uma inclinação comportamental violenta.

Entretanto, Luciana destaca ao final da palestra que, tirada esta percepção superficial, houve um grupo de educadores que soube tirar do Rap um propósito didático. Segundo ela, uma das maiores fraquezas do ensino público nas periferias é a dificuldade de relação entre os professores e os alunos. Geralmente, estes dois grupos vivem em realidades sociais e culturais distintas e, sem haver um real esforço para o diálogo, o educador parte do princípio que sua platéia é desinteressada e tem baixa capacidade de aprendizado, enquanto os jovens olham para a figura do professor como alguém com quem não podem se identificar e de quem não podem aprender nada. A experiência inaugurada em alguns lugares modifica esta condição de apatia entre os dois grupos e revela que em áreas escolares de periferia o Movimento Hip-Hop funciona como um eficiente recurso de ensino, criando nos estudantes uma disposição maior a se dedicarem ao conteúdo que está sendo passado, com declarações de que o aprendizado ficou facilitado, por exemplo, na disciplina História.



Publicado em:
03/10/2007
A UFRJ e o caso Delmar 23/07/2014
CFCH repudia prisões arbitrárias e apoia a liberdade de manifestação 23/07/2014
Últimos dias da exposição “Cadê a Química?” 23/07/2014
Professor da ECO é eleito para o Comitê Gestor da Internet do Brasil 22/07/2014
Decana do CFCH anuncia equipe 21/07/2014
Minicurso sobre os Reinos de África no Ifcs 21/07/2014
Minicurso sobre os Reinos de África no Ifcs 21/07/2014
Secretária Estadual de Cultura visita Parque Tecnológico da UFRJ 18/07/2014
UFRJ promove debate sobre Programa Nacional de Plataformas do Conhecimento 18/07/2014
IQ promove workshop e fórum internacional de eletroquímica 18/07/2014
Nota de repúdio 16/07/2014
Número 4 da Revista do CFCH está no ar 16/07/2014
Escola Politécnica conquista posição na Dong Energy Solar Challenge 15/07/2014
Sobre a Jornada de Trabalho 15/07/2014
Alunos aprovam mudanças no Siga 15/07/2014
Central telefônica passa por reparos nesta quarta-feira 15/07/2014
Aprovado terceiro programa de pós-graduação do Campus UFRJ-Macaé 15/07/2014
SuperEst anuncia novidades para a Residência Estudantil 15/07/2014
Professor da Coppe será homenageado na Alemanha 14/07/2014
VOLTAR
PORTAL DE EVENTOS - Esta ferramenta de Integração à Comunicação da UFRJ e tem o propósito de dar visibilidade às atividades Institucionais, Acadêmicas, Científicas e Culturais. CADASTRE AQUI SEU EVENTO
UFRJ Notícias - Boletim semanal com informações de interesse geral sobre a UFRJ, voltado para todos os públicos. Produzido pela Assessoria de Imprensa do Gabinete do Reitor, funciona também como divulgador de pautas para a imprensa.
Agência UFRJ de Inovação Tecnológica - A Agência UFRJ de Inovação é responsável por Gerenciar a política de inovação bem como sua difusão e aplicações no âmbito da UFRJ.
Cartas de Serviços dos Hospitais Universitários - Você poderá conhecer o conteúdo de cada Carta de Serviços ao Cidadão com as devidas orientações de participação e manifestação.
Super AFSede - CoordCOM: A Superintendência Geral de Atividades Fora da Sede foi criada para atender à política de ampliação da oferta de vagas e da necessidade de interiorização dos cursos no âmbito da UFRJ
Campus UFRJ - Xerém:  presença da UFRJ na produção de conhecimento e no crescimento do município de Duque de Caxias e da região da Baixada Fluminense.
CRIAR: tem como missão identificar, estimular e promover iniciativas inovadoras de unidades acadêmicas e órgãos suplementares da UFRJ, além de constituir-se num elemento de interface para o relacionamento e transferência dessas iniciativas para os demais agentes do desenvolvimento econômico e social, públicos e privados.
Monitoramento de trânsito: Verifique o trânsito nas saídas da Cidade Universitária pelas câmeras pela Prefeitura da UFRJ - CET-Fundão.
Superintendência Geral de Comunicação Social da UFRJ:  atua como mecanismo comunicacional integrador da universidade com as suas unidades acadêmicas e com a sociedade em geral.
Campus UFRJ-Macaé:  presença da UFRJ na produção de conhecimento e no crescimento do município de Macaé e da região do Norte Fluminense.
WebTV UFRJ:  veículo da Superintendência Geral de Comunicação Social da UFRJ, orientado para a produção de videojornalismo e produtos audiovisuais especiais.
SUPEREST - Superintendência Geral de Políticas Estudantis: tem por objetivo constituir-se numa estrutura pedagógico-administrativa vinculada ao Gabinete do Reitor, voltada ao planejamento, coordenação, acompanhamento e avaliação dos programas e ações direcionados à comunidade discente.
Imagem UFRJ: banco de imagens da Superintendência Geral de Comunicação Social da UFRJ.
Superintendência de Tecnologia da Informação e Comunicação da UFRJ: é vinculada à Pró-reitora de Gestão e Governança (PR-6).